As 13 maiores reclamações (sem sentido) de condôminos

capa
Pinterest

A convivência em um condomínio raramente é isenta de conflitos. Às vezes, pequenos problemas assumem proporções tsunâmicas em um prédio. O pior: nem sempre o síndico pode resolver as pendências, tudo pelo simples fato de elas não fazerem sentido. Existe até uma piada entre os administradores de condomínio, apontando os cinco “Cs” mais problemáticos em um edifício: cano, cachorro, criança, calote e carro.

Veja aqui as 13 principais reclamações de condôminos e por que razão elas não fazem sentido.

1- Vazamento horizontal

Quando ocorrem vazamentos na tubulação que liga o apartamento à coluna de água ou de esgoto, não há qualquer responsabilidade do condomínio. O proprietário do imóvel deve providenciar o reparo, além de solucionar problemas causados em outros apartamentos. O síndico não tem poder para intervir na situação, mas pode aplicar multa caso o morador demore a efetuar o conserto.

2- Barulho

Uma das maiores fontes de problemas para os síndicos, a questão do barulho abrange diversos elementos. Mais uma vez, o bom senso deve prevalecer. Excessos são combatidos em nome das boas normas de convivência. No entanto, reclamar do ruído causado pelo salto alto da moradora do apartamento de cima beira o absurdo. O mesmo vale para o choro de crianças recém-nascidas.

3- Carros mal estacionados

A situação se repete diariamente. O morador chega e tem dificuldade de colocar o carro na vaga. Tudo por causa de um vizinho que estaciona mal e atrapalha quem chegou depois. Qual a responsabilidade do condomínio neste caso? Zero! O caminho natural é o diálogo, destacando a necessidade de o condômino prestar atenção na hora de ocupar a vaga.

4- Motocicletas

Na falta de vagas delimitadas para motocicletas na garagem, o morador não pode exigir que o condomínio resolva o problema.

5- Bicicletário

O condomínio não é obrigado a manter bicicletário. Muitos síndicos lembram que esse tipo de estrutura acarreta despesas adicionais. Não adianta reclamar, pois esse não é essencial.

6- Obras emergenciais

A realização de obras emergenciais não precisa de aprovação em assembleia. Basta o síndico obter três orçamentos, reunir as notas fiscais do material e o recibo de pagamento do profissional ou empresa responsável pela execução do trabalho. Seguindo essas regras, não há como reclamar.

7- Obras em apartamentos

Reformas em imóveis costumam gerar barulho, poeira e movimentação de operários e de material de construção pelo elevador de serviço. Se os serviços forem realizados entre 8 e 18 horas e em dias úteis, só resta ao vizinho torcer para que a obra transcorra sem problemas e não atrase. De nada adiantará apresentar reclamações ao síndico.

8- Consumo de água

Em prédios que dispõem de apenas um hidrômetro para toda a construção, a conta de água costuma ser foco de acirrados debates. Donos de imóveis com poucos ocupantes se sentem prejudicados, pois pagam o mesmo que as unidades onde há famílias com muitos integrantes. Nesses casos, o padrão de rateio é a metragem do imóvel – e não a quantidade de pessoas em cada unidade.

9- Visitas

Nenhum condomínio pode estabelecer limites para o horário ou o número de visitantes que o morador recebe. Valem apenas as regras com relação ao barulho.

10- Crianças

Alguns moradores de apartamentos próximos ao playground do edifício reclamam do barulho causado pelas brincadeiras da garotada. Neste caso, cabe uma pergunta: que tipo de criança se reúne para brincar em silêncio?

11- Regimento interno

Antes de apresentar uma reclamação, o morador deve conhecer o Regimento Interno do condomínio. Isso evita, por exemplo, situações constrangedoras como se queixar da presença de entregadores de pizza, ainda que isso seja permitido pelo regulamento. Se alguma regra o desagrada, deve propor na assembleia sua alteração.

12- O problema é o síndico

Essa figura tantas vezes criticada desempenha um papel importante no condomínio. Suas decisões nem sempre agradam a todos. Antes de se queixar, o morador deve analisar as responsabilidades do cargo e avaliar se o síndico cumpre as obrigações legais e o Regimento Interno.

13- Ninguém quer ser síndico

Eis uma contradição comum nos condomínios. O síndico é criticado, porém ninguém se predispõe a ocupar o cargo. Há algumas alternativas, como a constituição de uma comissão de moradores ou a contratação de um síndico profissional.

Essas 13 reclamações deixam uma lição importante tanto para síndicos quanto para condôminos: bom senso é fundamental para a resolução de conflitos. Queixas infundadas ou mal formuladas podem gerar mal-estar entre os moradores. Por isso, é fundamental manter o diálogo. Mais de 90% das reclamações podem ser resolvidas apenas com uma simples conversa.

Como o seu condomínio encaminha as reclamações dos moradores? O síndico conta com algum tipo de assessoria ou suporte? Deixe aqui o seu comentário.

Guia para administrar um condomínio de forma simples e eficiente

 

Summary
Article Name
As 13 maiores reclamações (sem sentido) de condôminos
Author
Description
A convivência em um condomínio raramente é isenta de conflitos. Veja aqui as 13 principais reclamações de condôminos e por que razão elas não fazem sentido.
Pinterest

Deixe abaixo seu comentário

comentários

Envie uma resposta